Cefaleias recorrentes ou incapacitantes

HEADER-ARTIGO-Cefaleias-Recorrentes-Ou-Incapacitantes
HEADER-ARTIGO-Cefaleias-Recorrentes-Ou-Incapacitantes

Pessoas que tem dores de cabeça recorrentes muitas vezes veem suas atividades pessoais e profissionais comprometidas, seja pelos sintomas incapacitantes, pelos efeitos colaterais dos medicamentos ou pela necessidade de buscar ajuda no Pronto Socorro. A principal causa para essa condição é a enxaqueca.

Muitas pessoas acabam buscando a auto-medicação, sem saber que o excesso de analgésicos pode até piorar a cefaleia. Com o tempo as dores podem se tornar mais frequentes, chegando a ser diárias. O efeito dos analgésicos também não é mais o mesmo: não melhoram completamente a dor, e o alívio dura cada vez menos. É muito frequente que pessoas com cefaleia crônica desenvolvam sintomas de depressão e ansiedade. O mais importante é que todo esse ciclo pode ser evitado. Existem diversos tipos de tratamento possíveis e o objetivo é melhorar a qualidade de vida. Para isso é fundamental a diminuir a frequência das crises e tratar adequadamente quando elas acontecerem.

Dr. Marcio Nattan - Neurologista

Dr. Marcio Nattan é Neurologista pela FMUSP, membro da Sociedade Brasileira de Cefaleia e membro da International Headache Society. CRM-SP 149524

Gostou do conteúdo? Então compartilhe!

Compartilhar no email
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter

Contatos

Entre em contato por meio dos canais de comunicação:

Enxaqueca, um mal silencioso

HEADER-ARTIGO-Enxaqueca-Mal-Silencioso
HEADER-ARTIGO-Enxaqueca-Mal-Silencioso

Cefaleia, assim como febre, não é uma doença, mas um sintoma. É um dos sintomas mais comuns na população: 95% dos homens e 99% das mulheres vão sofrer com cefaleia em algum momento da vida. Talvez esse fato seja um dos responsáveis pela confusão que existe entre sintoma e doença.

Enxaqueca não é um sintoma. Também não é “só uma dor de cabeça”. Ao contrário, é a doença em 2º lugar no triste ranking de causas de anos vividos com incapacidade no mundo. E certamente o baixo reconhecimento do problema corrobora para que menos de 5% das pessoas com enxaqueca (que tem indicação) recebam um tratamento adequado.

A IstoÉ de hoje traz uma matéria (da Anna França) chamando a atenção para esse fato: Enxaqueca é um mal “silencioso”. Vale dizer que esse “silêncio”, que inclusive acomete mais mulheres que homens, é muitas vezes resultado de preconceito, quando não de desconhecimento.

O reconhecimento desse importante problema de saúde pública é o primeiro passo para uma mudanças na sociedade, com melhora do diagnóstico e mais acesso ao tratamento. Por que o mais dramático é que a segunda doença mais incapacitante do mundo tem sim tratamento!

Fonte: https://istoe.com.br/enxaqueca-um-mal-silencioso/

Dr. Marcio Nattan - Neurologista

Dr. Marcio Nattan é Neurologista pela FMUSP, membro da Sociedade Brasileira de Cefaleia e membro da International Headache Society. CRM-SP 149524

Gostou do conteúdo? Então compartilhe!

Compartilhar no email
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter

Contatos

Entre em contato por meio dos canais de comunicação: